deserto.jpg

Ontem foi um dia atípico, mas compensador. Foi assim que passei minhas 16h de aceleração contínua e às 10h restantes me deliciando entre a leitura do livro de André Chouraqui e uma boa noite de sono. Todo tempo permitido e concedido por Deus.

Por esta razão gostaria de trazer um comentário de seu livro. A bíblia no deserto (números). Quando li lembrei-me da bíblia romanceada – O livro de Deus de Walter Wangerin. Aliás, foi através dela que venci o medo de romper a problemática da tradução, sem perder o sopro poético nem tão pouco a iluminação do Espírito sobre os textos bíblicos.

 “Ao percorrer o caminho, como um viajante deslumbrado com a beleza das paisagens sempre novas que descobri, senti necessidade de voltar ao meu ponto de partida e recomeçar o périplo, sobre o oceano sem margem da palavra da qual eu vivia. Enriquecido pela experiência e estimulado pela recepção dada as minhas publicações, em vez de simplesmente corrigir resolvi fazer nova tradução do texto sagrado. ‘A serenidade das raízes, o esplendor das fontes ajudarão o encontro, neste lugar privilegiado de convergência, de inspiração e salvação’”. André Chouraqui.

Então, Moises ouvi chorar o povo pelas suas famílias, cada qual à porta da sua tenda; e a ira do Senhor grandemente se acendeu, e pareceu mal aos olhos de Moisés. Eu mesmo acaso estive grávido de todo esse povo ou eu mesmo o dei a luz para que me digas: “carrega-o em teu seio”, como padrinho carrega o recém-nascido à gleba que juraste a seus pais? Êx. 11: 10,12

Moisés ouve o povo chorar: a unanimidade dessa queixa confirma a solidão de Moisés face a face com Deus. É a este só que ele pode confiar sua dor, esse texto pressupõe o conhecimento dos grandes momentos da carreira de Moisés, aqueles nas quais ele tenta escapar à missão que Senhor lhe incumbe (Ex. 4:13), e sobre tudo seu diálogo com Deus após o escândalo do Bezerro de Ouro. Mas uma vez Moisés se queixa do peso esmagador de sua missão.

Estive grávido: o hebraico se exprime por um verbo em que o feminino não aparece na forma gramatical, o que lhe confere uma força das mais impressionantes, e que nenhuma tradução poderia exprimir. A idéia é que Moisés não está ligado ao povo por uma força natural como a mãe em relação a seu filho, mas que recebeu no exterior sua responsabilidade, numa missão pesada demais para seus ombros. Moisés, em seu sofrimento, não se compara apenas a uma mãe cujas ligações com o filho são naturais e incondicionais, mas também a um padrinho a um tutor.

Comentários de André Chouraqui, Filho de três países, nascido na Argélia. Na França fez parte da resistência antes de se tornar delegado geral da Aliança Israelita Universal. E de Israel, aonde vem trabalhando. Grande testemunha do século, figura oral universalmente reconhecida, nos deu uma tradução única da bíblia.

Anúncios