O homem e os propósitos espirituais se relacionam mutuamente. A relação a respeito dos propósitos egoístas tem um lado; o homem precisa comer o pão, mas o pão não precisa ser comido pelo homem. A relação é diferente a respeito dos propósitos espirituais: a justiça é algo que deve ser feito, e a justiça precisa do homem. O sentido do dever expressa uma situação na qual um ideal, seja qual for, deve ser atingido. Os propósitos espirituais vêm com uma reivindicação acima da pessoa. Eles não são apenas impressionantes, são imperativos; são exigências, não idéias abstratas. Os valores estéticos são vividos como objetos de prazer, enquanto os atos religiosos são vividos como objetos de compromisso, como respostas à certeza de que algo não é solicitado, esperado. “Os Propósitos religiosos precisam de nossas ações, de nossas realizações”. (grifo meu) Heschel, Deus em busca do homem. Arx,2006.p. 138

 

 

Sugestão de leitura:

Cristãos Inoperantes

 

Anúncios