“Os rabinos davam por satisfeito não ir além da bíblia”. Palavras de Alfred J. Kolateh em seu livro judaico. Segundo ele, para os rabinos, não havia necessidade de explicar através de conhecimentos externos as finalidades dos estatutos, e das leis alimentares. Devem ser obedecidos, mesmo que estes motivos estejam além da compreensão humana.

moises-tabuas.jpgA liberdade do pensamento parece uma represa prestes a romper. Vejam por exemplo o povo hebreu: Foi liberto da escravidão do Egito, (não lutou pela conquista) por isso, não aprendeu o valor da liberdade. O método pedagógico consistiu em peregrinar pelo deserto durante quarenta anos. O valor da liberdade só veio ser compreendido após as lutas e instruções. Moisés codificou os resíduos das tradições orais , e, tais preceitos, adicionado ao seu rico aprendizado na ciência dos egípcios, (At. 7:22), serviram para instruir o povo e estabelecer uma religião mais apurada nas formalidades. Assim conseguiu transformar escravos em guerreiros, pastores em estrategistas militares.

Durante esse período no deserto, fizeram vários pactos. André Chouraqui faz um comentário interessante:

(Números 18:19) – Dir-lhes-ás pois: Quando oferecerdes o melhor deles, como novidade da eira, e como novidade do lagar, se contará aos levitas.

(Toda contribuição dos sacramentos que os benéi Israel contribuírem para Adonai,eu os dei a ti, a teus filhos, a tuas filhas contigo, como lei de perenidade. É em faces de Adonai em pacto de sal em perenidade para ti e para tua semente contigo.)

(Números 18:20) – E o comereis em todo o lugar, vós e as vossas famílias, porque vosso galardão é pelo vosso ministério na tenda da congregação.

(Adonai diz Aharôn: Da terra deles nada possuirás. Não haverá parcela para ti entre eles: eu sou tua parcela e tua posse entre os Benéi Israel.)


Comentário:

19. Pacto de sal: O estatuto econômico dos kohanims é apresentado como o resultado de um pacto de perenidade, um “pacto de sal”. Essa expressão intrigou muito os exegetas. De acordo com Rashi, sendo o sal particularmente incorruptível, trata-se de uma metáfora. Os estudiosos modernos propõem uma outra explicação: a palavra berit, “aliança”, “pacto”, poderia vir de uma raiz bara, que significa: manducar, restaurar-se (2Sm 12.17). Os antigos tinham o costume de selar suas alianças com falo cultural. O sal, símbolo de incorruptibilidade, era um ingrediente obrigatório desses ágapes. Se for assim, não é com uma metáfora que lidamos nesse versículo, mas com uma metonímia.

20. Nada possuirás: Na verdade, eles terão o direito de habitar certas cidades e de conduzir seus rebanhos nas pastagens comunitárias (Js 21. 10 – 19). Mas não terão nem terras hortas ou pomares.

 

André Chouraqui, Filho de três países, nascido na Argélia. Na França fez parte da resistência antes de se tornar delegado geral da Aliança Israelita Universal. E de Israel, aonde vem trabalhando. Grande testemunha do século, figura oral universalmente reconhecida, nos deu uma tradução única da bíblia.

Leia também:

Moisés e o povo no deserto

Anúncios